Seja pai, mãe, tio, tia, avô ou avó... Uma das maiores preocupações quando se tem uma criança em casa é poder proporcionar uma educação de qualidade, de forma que o pequeno cresça saudável e que, no futuro, se torne um adulto de sucesso. Mas será que você, na ânsia de acertar, está fazendo isso da forma correta? A verdade é que, principalmente nas primeiras fases da vida, devemos tomar certos cuidados para não podar nenhuma fase do desenvolvimento, tornando a criança mais suscetível à depressão, estresse e ansiedade.

 

 

 

“AS CRIANÇAS DE HOJE TÊM MAIS ANSIEDADE DO QUE PACIENTES PSIQUIÁTRICOS INFANTIS DOS ANOS 50”

 

Associação Psicológica Americana (APA) Journal of Personality and Social Psychology

 

 

 

            Uma das etapas mais importantes nestas primeiras fases diz respeito à aprendizagem e desenvolvimento sociais e afetivos dos pequenos, chamamos ela de habilidades sócio-afetivas. É ela que vai garantir o gerenciamento das no futuro. Em termos mais técnicos, ela abrange os processos necessários para entender e manejar as emoções, determinar e atingir metas positivas, sentir e demonstrar empatia, estabelecer e manter relações positivas e tomar decisões responsáveis.

 

            Além disso, essas habilidades são fundamentais para que a criança seja um bom aluno, cidadão, trabalhador ou empresário. Também é ela que impede e diminui a chance de comportamentos de risco ao longo da vida (como uso de drogas, violência, bullying e desistência).

 

 

            De forma geral, separamos as habilidades socioafetivas em 5 pilares: autopercepção, automanejo, percepção social, habilidade de relacionamento e responsabilidade, e tomada de decisão. Juntas e em harmonia, elas tornam os seres humanos completos (empáticos, autoconfiantes, otimistas, com responsabilidade social e afetiva).

 

            E você sabia que a sua relação com o seu filho, a escola em que ele está e as brincadeiras lúdicas e atividades físicas têm ligação direta com isso? Ou que jogar mil e um estímulos soltos e desconexos pode impedir que essas habilidades sejam desenvolvidas ao longo dos 0 a 7 anos?

 

            Isso porque o nosso desenvolvimento ocorre tanto no espaço social, quanto cultural e, ao longo da nossa infância, desde o primeiro dia de vida, a nossa personalidade começa a ser construída: como lidamos com problemas, como nos portamos diante de conflitos, como agimos em relação ao outro e a nós mesmos, etc.

           

                Piaget explica que é na afetividade que encontramos o caráter social de cada pessoa, também responsável por estabelecer o elo entre o indivíduo e a busca pelo saber por meio das interações sociais.

 

 

CABE À AFETIVIDADE A FUNÇÃO DE DESENCADEAR O AGIR E O PENSAR DO SER HUMANO.

 

 

 

 

                  E o que a Escola tem a ver com isso?

 

            Simples: é em uma Escola de Educação Infantil que o seu filho vai estabelecer vínculos com novas pessoas da mesma idade e percepção de mundo. Uma instituição focada em crianças de 0 a 5 anos e 11 meses pode estar muito mais preparada para receber e cuidar dos pequenos. Além disso, a relação do professor e aluno é muito mais próxima e individualizada, possibilitando que o profissional motive e incentive o aluno a enfrentar diversas situações de maneira correta e saudável.

 

            Mas você, que é pai ou mãe, também deve entender que esse trabalho não é exclusivo da escola, mas, sim, uma parceria entre escola e família. Por isso, que tal conferir as 5 dicas que preparamos para te ajudar a desenvolver as habilidades sócio-afetivas do seu filho, conforme cada faixa-etária?

 

            Clique aqui e faça o download do nosso E-book!